quarta-feira, 30 de julho de 2014

A Fada das Flores (Para a minha adorada mãe)

As dálias que as suas delicadas mãos colhiam
e eu, próxima, extasiada a tudo assistia;
As fadas que em segredo eu cria, porém, nem sequer as via;
naquelas horas, eu, ao menos uma delas, possuía.
Ah! As dálias de cores diversas,
plantadas e colhidas com gestos dadivosos e generosos!
O perfume das angélicas que aos sábados exalava por toda sala de estar,
as mesmas mãos as exibiam!
Ela caminhava por entre as flores, removia a terra, regava-as com a terna exatidão
de quem sabia que lá elas permaneceriam viçosas.
E se multiplicavam colorindo os canteiros com rara beleza.
Suas mãos eram como deveriam ser as de uma verdadeira fada,
leves como sedas.
No jardim, roseiras e outras variedades, embora para a minha memória
de criança, as dálias fossem marcantes, nos canteiros do quintal.
Porém de todas as flores, era ela a mais exuberante e bela.
Simples, quando se misturava à Natureza.
Enigmática, quando ora fada, ora flor, dava-me a certeza,
de que aquela metamorfose seria para incorporar à minha vida,
a possibilidade de ter sabedoria sem nunca perder a inocência.


27.02.2009

5 comentários:

  1. Encantadíssimo! Como pode habitar numa alma tanta sensibilidade!!

    ResponderExcluir
  2. Ser sábio sem perder a inocência,isto é essencialmente utópico mas palpável e digno de desejar.Linda Homenagem!

    ResponderExcluir
  3. Uma profecia: breve, um livro publicado.

    ResponderExcluir
  4. Viajei...fui até seu quintal.

    ResponderExcluir
  5. Viajei...fui até seu quintal.

    ResponderExcluir